Início >> Notícia >> Categoria >> Geral >> manifestacoes-em-sp-terminam-em-confronto-em-frente-a-casa-de-temer

Manifestações em SP terminam em confronto em frente à casa de Temer

A sexta-feira amanheceu sem ônibus, trens e metrô, com a convocação de paralisação

Manifestações em SP terminam em confronto em frente à casa de Temer

457

Francisco Silva 29/04/2017 às 18:24 29/04/2017 às 18:24

Foto da capa: Tropa de Choque dispersa manifestantes da frente da casa de Michel Temer; presidente não está em São Paulo (Foto: Reprodução/GloboNews)

O último protesto contra as reformas trabalhista e da Previdência realizado nesta sexta-feira (28) terminou em confronto entre manifestantes e a PM na frente da casa do presidente da República, Michel Temer (PMDB), no Alto de Pinheiros, Zona Oeste de São Paulo. A polícia utilizou bombas de efeito moral, balas de borracha e gás lacrimogênio para dispersar o ato, e os manifestantes atiraram pedras e rojões na direção da PM.

O conflito começou porque a polícia pediu que manifestantes se afastassem do gradil da casa de Temer, mas não foram atendidos, segundo a GloboNews. O presidente estava nesta sexta em Brasília.

Os manifestantes se reuniram no Largo da Batata, em Pinheiros, também na Zona Oeste, nesta tarde. Logo depois, grupos que haviam se formado mais cedo na Avenida Paulista, na Praça da Sé e no Viaduto do Chá se encontraram com o ato que se formou no Largo da Batata.

De lá, partiram em direção à casa do presidente. Segundo Guilherme Boulos, coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), 70 mil pessoas participam do ato. A Central Única dos Trabalhadores (CUT) estimou 50 mil manifestantes.

 

PM usa bombas de efeito moral e balas de borracha em ato perto da casa de Temer

PM usa bombas de efeito moral e balas de borracha em ato perto da casa de Temer

No caminho, mascarados depredaram agências bancárias. Pouco antes das 20h, os manifestantes chegaram na praça onde fica a casa do presidente. Por segurança, foram instalados gradis e a Polícia Militar fez a segurança do local.

Quando parte dos manifestantes tentou derrubar o gradil, os PMs usaram bombas de gás e balas de borracha para dispersar a multidão. Os manifestantes seguiram para a Praça Panamericana, onde depredaram um supermercado, um banco e uma lanchonete. Houve confrontos com a PM.

Mascarados seguiram pela Avenida Pedroso de Morais, em Pinheiros, derrubando placas e colocando fogo em barricadas. Outros bancos foram depredados. Houve novos pontos de conflito até o Largo da Batata, onde o ato terminou. Lá, pontos de ônibus foram depredados.

'Preguiçosos' e 'vagabundos'

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), voltou a chamar de "vagabundos" e "preguiçosos" as pessoas que aderiram à paralisação. Ele acrescentrou que a cidade de São Paulo sofreu uma "afetação" por causa da ação de diversas categorias contra as reformas trabalhista e da Previdência.

"São preguiçosos, sim, e são vagabundos, porque atrapalham a vida da cidade, prejudicam os que querem trabalhar e precisam para sobreviver e estes poucos estão intervindo na cidade, queimando pneus, jogando pedra, agredindo pessoas em aeroportos. Isso é direito? Isso é correto?", disse. "Estas pessoas, para mim, não merecem respeito. Façam os movimentos não prejudicando a vida da cidade", disse. "Têm o meu repúdio, não têm nosso apoio."

Manifestantes durante protesto que teve concentração no Largo da Batata  (Foto: Alex Silva/Estadão Conteúdo)

Manifestantes durante protesto que teve concentração no Largo da Batata (Foto: Alex Silva/Estadão Conteúdo)

Agência depredada na Pedroso de Moraes, em Pinheiros (Foto: Glauco Araújo/G1)

Agência depredada na Pedroso de Moraes, em Pinheiros (Foto: Glauco Araújo/G1)

 

Interior de agência bancária depredada na Pedroso de Morais (Foto: Glauco Araújo/G1)

Interior de agência bancária depredada na Pedroso de Morais (Foto: Glauco Araújo/G1)

Agência do Bradesco depredada (Foto: Glauco Araújo/G1)

Agência do Bradesco depredada (Foto: Glauco Araújo/G1)

 

Marginal Pinheiros

 

Os manifestantes chegaram até a região da Praça Conde de Barcellos, onde fica a casa do presidente, pouco antes das 20h. Muitos policiais estavam perto dos gradis e um pouco atrás, fazendo a segurança da região.

Um grupo vindo da Avenida Paulista foi até a Praça do Ciclista e desceu em direção ao Largo da Batata, pela Avenida Rebouças. Quando o grupo entrou na Avenida Brigadeiro Faria Lima, parte dele depredou uma agência bancária do Itaú. Em seguida, colocou fogo em lixeiras. Os bombeiros apagaram o incêndio e policiais militares acompanharam de perto.

Um grupo de motoboys desfilou pelas avenidas da região central da capital paulista para reforçar o protesto em dia de paralisação pela cidade. Eles passaram pela Avenida 23 de Maio, Avenida Paulista e chegaram à sede da Prefeitura no Viaduto do Chá. Depois, foram até a Marginal Pinheiros, bloqueando a pista sentido Interlagos.

 

Motociclistas bloqueiam a Marginal Pinheiros na altura do Panamby nesta sexta

Motociclistas bloqueiam a Marginal Pinheiros na altura do Panamby nesta sexta

 

Atos mais cedo

 

Na Paulista, dois grupos se concentram em pontos distintos da avenida provocando o bloqueio dos dois sentidos da pista. Um grupo ligado aos professores da rede municipal se concentrou na região da Rua Augusta. Outro grupo, da central sindical Conlutas, se reuniu em frente ao Masp. Eles seguiram até o prédio da Presidência em São Paulo, na esquina com a Rua Augusta.

Os manifestantes fizeram discursos, criticaram as reformas do governo Temer e voltaram até o Masp, onde encerraram o ato.

Polícia isola casa de Michel Temer com gradil, no Alto de Pinheiros (Foto: Livia Machado/G1)

Polícia isola casa de Michel Temer com gradil, no Alto de Pinheiros (Foto: Livia Machado/G1)

Na Praça da Sé, outro grupo se reuniu no início da tarde na escadaria da Catedral de São Paulo e por volta das 16h saiu em caminhada pelas ruas do Centro. Muitos manifestantes usavam máscaras para cobrir o rosto.

Na região central a PM usou bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral para dispersar manifestantes na altura do Theatro Municipal.

 

Manifestantes picham pontos de ônibus em caminhada por ruas do Centro de SP

Manifestantes picham pontos de ônibus em caminhada por ruas do Centro de SP

Eles caminharam pelas ruas do Centro e picharam pontos de ônibus com frases contra o governo e com símbolos de anarquia. Seguiram até a Prefeitura, depois subiram a Rua da Consolação pichando os muros que encontravam pela frente. Depois, seguiram caminhada pela Avenida Rebouças em direção ao Largo da Batata.

 

Manifestantes picham muro de obra do Metrô na Rua da Consolação, em SP

Manifestantes picham muro de obra do Metrô na Rua da Consolação, em SP

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, por volta de 15h, 21 pessoas haviam sido detidas por cometerem atos ilícitos em manifestações.

 

Grupo de mascarados se concentrou na Sé, depois saiu em caminhada até a Paulista

Grupo de mascarados se concentrou na Sé, depois saiu em caminhada até a Paulista

 

Manifestantes caminham da Praça da Sé até o Viaduto do Chá no Centro de São Paulo

Manifestantes caminham da Praça da Sé até o Viaduto do Chá no Centro de São Paulo

 

Pela manhã

 

Motoristas de ônibus, metroviários e ferroviários paralisaram as atividades na manhã desta sexta na Grande São Paulo, dia de paralisação contra as reformas previdenciária e trabalhista. Vias da capital paulista e rodovias foram bloqueadas. Parte dos serviços começou a ser retomado depois das 9h.

Nenhuma linha da CPTM funcionava no início manhã desta sexta. Apenas a Linha 4-Amarela do Metrô, administrada por uma concessionária, operou normalmente desde o começo do dia.

Os aeroportos de Cumbica, em Guarulhos, e Congonhas, funcionaram normalmente. Houve protesto no saguão de Congonhas e, por volta das 5h, manifestantes bloquearam a Rodovia Hélio Schmitd, principal acesso ao Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos.

A paralisação dos bancários afetou o funcionamento de 515 agências bancárias e 15 centros administrativos na região metropolitana, segundo estimativa do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região. As agências fecharam as portas parcialmente ou totalmente, disse o sindicato.

Escolas estaduais, municipais e privadas da capital paulista deixaram de abrir as portas. Segundo as secretarias de Educação do estado e do município, várias unidades, no entanto, funcionaram normalmente.

A secretaria Estadual de Educação disse que "99% das escolas estão funcionando". Das mais de 5 mil, só 49 não abriram em todo o estado nesta sexta, segundo a pasta. Segundo a Prefeitura de São Paulo, não funcionaram nesta manhã 50% das 1.502 escolas da rede direta de ensino municipal, entre creches e escolas de ensino fundamental.

Grupo de motoboys atravessam a Avenida Paulista em manifestação (Foto: GloboNews/Reprodução)

Grupo de motoboys atravessam a Avenida Paulista em manifestação (Foto: GloboNews/Reprodução)

Grupo de motoboys se concentram em frente à sede da Prefeitura de São Paulo (Foto: TV Globo/Reprodução)

Grupo de motoboys se concentram em frente à sede da Prefeitura de São Paulo (Foto: TV Globo/Reprodução)

Grupo de manifestantes se reúne na Praça da Sé, alguns com o rosto coberto (Foto: Marcelo Brasil/TV Globo)

Grupo de manifestantes se reúne na Praça da Sé, alguns com o rosto coberto (Foto: Marcelo Brasil/TV Globo)

Manifestantes bloqueiam a Avenida Paulista no Masp (Foto: TV Globo/Reprodução)

Manifestantes bloqueiam a Avenida Paulista no Masp (Foto: TV Globo/Reprodução)

Francisco Silva

Proprietário da web Rádio Amazônia Central, Acadêmico em sistemas de informação 8º período (2/2017) e Editor de imagens. WhatsApp (69) 9 9283-9969

Veja também

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites